Representar seu país no maior evento multiesportivo do planeta não assusta a ginasta Daiane dos Santos. Do alto de seus 1,45m, firme sobre os sapatos número 34, a pequena notável do desporto brasileiro não vê problema em enfrentar uma batalha digna de Davi e Golias. Sabe da responsabilidade, é claro, mas tem motivos de sobra para confiar em seu talento e dedicação até de olhos fechados: o maior salto, afinal, ela já deu – de uma pracinha de brinquedos em Porto Alegre, onde foi descoberta na infância, até a elite da ginástica mundial.

Integrando a série “Semana da Mulher JB”, apresentamos, a seguir, uma entrevista exclusiva com Daiane dos Santos – que treina forte no Esporte Clube Pinheiros, de São Paulo, para os Jogos Olímpicos de Londres, a se realizarem neste ano. Confira:

 

 

Blog JB – Relate seu início na Ginástica e conte como se desenrolou sua carreira.

DS – Na verdade, meu começo na Ginástica aconteceu por acaso, numa pracinha em Porto Alegre. Fui descoberta por uma professora, quando brincava. O início na Ginástica não foi programado por mim, mas agarrei a oportunidade. Gostei da modalidade desde o começo, me dediquei ao máximo para conseguir ter bons resultados.

 

Blog JB – Qual o tamanho dessa responsabilidade de representar o Brasil em competições como a iminente Olimpíada de Londres?

DS – É imensurável, a responsabilidade é do tamanho do Brasil! (risos)

 

Blog JB – O que mais a fascina em sua profissão?

DS – Lidar com a gravidade e tentar quebrar certos desafios.

 

Blog JB – Como gosta de se vestir?

DS – Depende da ocasião, mas gosto basicamente de short jeans, uma blusa e salto alto. Além disso, adoro acessórios, como brincos grandes, pulseiras e relógios.

 

Blog JB – Modelo de sapato de sua preferência:

DS – Eu gosto de meia-pata e, de preferência, com o salto mais fino.

 

Blog JB – Em sua opinião, o que é ser elegante?

DS – Ser elegante é se vestir adequadamente conforme o lugar e a ocasião.

 

Blog JB – Seu prato preferido:

DS – Stroganoff e churrasco.

 

Blog JB – Um livro marcante:

DS – Infiel, história da vida de uma mulher muçulmana.

 

Blog JB –Música que adora:

DS – Samba! Banda Revelação.

 

Blog JB – Um ou dois filmes que valem a pena:

DS – “Os garotos da minha vida” e “À procura da felicidade”.

 

Blog JB – Uma característica que todas as pessoas deveriam ter:

DS – Honestidade.

 

Blog JB – Cite uma personalidade feminina cuja trajetória você admira e explique por quê.

DS – Minha mãe. Pela garra, por tudo que ela conseguiu – criar os filhos, manter a casa e se realizar pessoalmente.

 

Foto: Divulgação

Compartilhe:

Assuntos:

Para nossa quinta entrevista exclusiva por ocasião da Semana da Mulher, convidamos a jornalista Rosane Marchetti, da RBS TV Porto Alegre – hoje nacionalmente reconhecida pelos especiais para o “Globo Repórter”. Casada com Luiz Roberto Martins Filho, ela tem uma filha, Camila, de 31 anos.

Embora se deixe encantar por filmes de ficção (como o recente “Meia noite em Paris”, de Woody Allen), a gaúcha de Nova Prata, na região serrana do Estado, tem os dois pés firmes no chão: de sua profissão, o que mais ama é o contato com histórias verdadeiras, profundas e surpreendentes. Essa paixão pela realidade também se faz notar nas leituras-cabeça (como Nietzsche) e nas personalidades cuja trajetória ela admira, a exemplo da presidenta Dilma Rousseff. Confira a entrevista:

 

 

Blog JB – Quando optou pelo jornalismo e como sua carreira se desenrolou?

RM – Eu ainda era bem pequena quando decidi que queria ser jornalista. O tempo passou, fui fazer sociologia, mas aquele sonho lá da infância reapareceu, e fui para o Jornalismo. Minha vontade era de escrever para uma revista nacional, fazer reportagens sobre grandes acontecimentos, mas nunca escrevi para revista alguma. Por uma decisão do destino, acabei fazendo teste para substituir uma repórter na TV Pampa, na época TV Manchete. Fui selecionada e acabei como repórter de esporte por cerca de 2 anos. Depois fui para a RBS, onde estou há cerca de 25 anos… uma vida! Aqui já fiz de tudo: reportagem, edição, apresentação de todos os telejornais e programas da TV COM e Campo & Lavoura. Também dirigi o curta sobre Mário Quintana, dentro da série dos gaúchos que marcaram o Século XX. Fiz de tudo e adorei! Atualmente, me dedico a reportagens especiais, como para o Teledomingo (RBS TV) E Globo Repórter (Rede Globo). São reportagens mais longas do que aquelas apresentadas no dia a dia.

 

Blog JB – O que mais a fascina em sua profissão?

RM – O jornalismo de verdade! Acho que essa é uma das poucas profissões em que podemos contar histórias verdadeiras com toda a emoção e a lição que elas inspiram, sem ter de criar personagens, situações e lugares fictícios.

 

Blog JB – Como gosta de se vestir?

RM – Gosto de roupas bem-feitas, tipo alfaiataria. Mas devem expressar alguma tendência, alguma informação, alguma inspiração. Prefiro as cores neutras. Adoro preto, cinza. E no meio disso, calça jeans! Tenho muitas, de todas as lavagens.

 

Blog JB – Modelo de sapato de sua preferência:

RM – Amo botas! Curtas, compridas…

 

Blog JB – Em sua opinião, o que é ser elegante?

RM – Poder estar em qualquer lugar da cidade, em qualquer cidade do mundo, sentindo-se bem, sem chamar a atenção porque está usando roupa de menos ou de mais! Quer dizer, nem menos, nem mais! Roupas chamativas não são minha praia, muito menos joias suntuosas, espalhafatosas. A beleza, para mim, é sutil. A elegância é sutil.

 

Blog JB – Um livro marcante:

RM – Preferidos tenho muitos! Mas um dos que gosto muito e que sempre releio é “Assim falava Zaratustra” de Friedrich Nietzsche. São reflexões cheias de poesia e filosofia.

 

Blog JB – Uma música que adora:

RM – Marisa Monte cantando “Quero assistir ao sol nascer, ver as águas do rio correr, ouvir os pássaros cantar…”

 

Blog JB – Um filme:

RM – Noooooossa, são tantos! Mas “Meia noite em Paris” me encantou demais recentemente.

 

Blog JB – Um segredo de beleza:

RM – Estar sempre apresentável! Mesmo que seja pra ir à padaria em frente a sua casa, esteja apresentável.

 

Blog JB – Uma característica que todas as pessoas deveriam ter:

RM – Prefiro dizer uma característica que nenhuma pessoa deveria ter: achar que a fama é para sempre e se comportar como se isso lhe desse passaporte para se achar mais do que qualquer outro ser humano. Respeito é fundamental!

 

Blog JB – Cite uma personalidade feminina cuja trajetória você admira e explique por quê.

RM – Vou falar da Dilma, a nossa presidenta. Conheço-a há muitos anos, desde que era secretária municipal em Porto Alegre. Nunca vi em seus olhos qualquer expressão de derrota diante de tudo o que viveu. Ela seguiu sua vida e perseguiu seu destino apesar de tudo e de todos e…  olhem ela agora!

 

Foto: Reprodução

Compartilhe:

Assuntos:

Legítima representante da mulher moderna, Lilian Queiroz de Souza multiplica-se para atuar em diversas frentes. No âmbito profissional, consegue dar vazão às paixões pela arte, pelas crianças e pela área da saúde – esculpindo dentinhos, como ela própria define, na profissão de odontopediatra. A dentista poderia se contentar em ser mais uma na lista de mulheres bem-sucedidas do Rio de Janeiro, mas o espírito voluntário falou mais alto, e Lilian decidiu agarrar com unhas e dentes o combate ao abandono de animais – especialmente gatos – através da ONG Oito Vidas, na qual responde pelo posto de presidente.

Muito além da alegria que sente em proporcionar bem-estar aos bichanos desamparados, Lilian tem pelo menos uma história profundamente tocante sobre como já foi recompensada por tamanha dedicação. Emocione-se com a entrevista exclusiva que ela concedeu ao Blog Jorge Bischoff, em comemoração à Semana da Mulher:

 

 

 

Blog JB – Fale-nos de sua carreira e do trabalho voluntário na Oito Vidas.

LQ – Sempre quis fazer alguma coisa nas áreas das Artes Plásticas, Saúde, crianças e animais. A odontopediatria me proporcionou as três primeiras: é uma arte esculpir um dente em tempo recorde, num campo pequeno, dentro de uma boquinha mínima, que se mexe o tempo todo. Foi a escolha perfeita! Adoro minha profissão – principalmente o nosso ponto forte, que é a prevenção de cáries e a ortodontia preventiva e interceptativa.  A alegria foi total quando o fruto desse trabalho me possibilitou aglutinar o meu quarto desejo – cuidar dos negligenciados e maltratados animais abandonados nas ruas, os chamados excedentes urbanos.

 

Blog JB – O que mais a fascina em sua atividade?

LQ – O convívio diário com crianças e animais é fascinante. Um aprendizado incrível a cada minuto.

 

Blog JB – Como funciona esse trabalho de amparo aos animais?

LQ – Na Oito Vidas, nossa atenção está voltada para a proteção animal, especialmente dos felinos abandonados nas ruas. Gatinhos abandonados procriam indiscriminadamente e formam colônias. Resgatamos esses animais, tratamos, esterilizamos e encaminhamos os filhotes para adoção responsável. Os gatos que se adaptaram à vida livre são devolvidos à colônia, que será monitorada por um protetor ou pela própria equipe da Oito Vidas.

É comum recebermos ligações de pessoas que não apreciam gatos, pedindo que eles sejam removidos do local. Essa medida não resolve. Saindo os gatos, aparecerão ratos e outros pequenos animais, que irão atrair seus predadores – outros gatos famintos. Outra colônia será formada em pouquíssimo tempo.

 

Blog JB – Então qual a atitude correta no que diz respeito a essas colônias?

LQ – A maioria das pessoas não sabe que retirando os gatinhos para longe de seus olhos, irão jogá-los em um verdadeiro holocausto. Eles serão enviados aos CCZs (Centros de Controle de Zoonoses), onde morrerão em pouquíssimo tempo, pelo estresse do confinamento junto a uma quantidade enorme de animais – a maioria doente. Um sofrimento atroz.

O correto é conservar a colônia no seu local de origem, castrando os animais, evitando assim os barulhos do cio e das cruzas, que incomodam as pessoas, além do controle populacional do grupo. Temos desenvolvido esse trabalho com sucesso em várias localidades, onde tivemos denúncias de maus tratos e hoje são nossos exemplos de responsabilidade social.

 

Blog JB – Conte-nos um caso marcante que vivenciou em razão desse trabalho.

LQ – Fiz um resgate de um gatinho que, segundo o veterinário, não iria sobreviver. Ele tinha menos de um mês, estava cheio de fungos, desidratado, com um dos olhos perfurado e outro quase perdido. A vontade de viver que ele tinha era admirável, mesmo depois de ter sofrido tanto. Investi toda a minha força para salvá-lo. Duas das minhas gatinhas castradas encheram de leite e o amamentaram. Tiveram uma disputa de amor lindíssima.

É lógico que com duas mães amorosas e uma avó dedicada, ele ficou um gato lindo, peludo, parecido com uma raposinha. Era frágil nas mudanças bruscas de temperatura como o ar condicionado. Ele sempre dormia com as mães adotivas na sala, quando eu ligava o ar.

Em uma noite ele miou bem alto, de uma forma diferente, na porta do meu quarto. Sonolenta, abri a porta e o vi correndo para a cozinha. Ele mostrou-me seu pratinho de comida cheio de ração. Eu disse: “Fox, seu pratinho está cheio de ração e você me acordou?!”

Voltei ao meu quarto e senti um cheiro muito forte de gás. Eu não tinha desligado o aquecedor direito e fui dormir com gás escapando. Abri as janelas, desliguei o gás e fui até a sala agradecer ao meu querido, que ronronou feliz, tão alto como jamais eu tinha ouvido. Ele sabia que, naquele momento, pôde me retribuir o salvamento de sua vida.

 

Blog JB – Como gosta de se vestir?

LQ – O mais básico possível.

 

Blog JB – Modelo de sapato de sua preferência:

LQ – Mocassim.

 

Blog JB – Em sua opinião, o que é ser elegante?

LQ – Muita coisa deixa uma mulher elegante: a postura, a simplicidade no vestir, saber o que cai bem para o seu corpo, mas tudo isso cai por água abaixo se, em sua postura diante da vida, não tiver um olhar mais abrangente e compaixão por todas as outras vidas que dividem esse planeta lindo conosco.

 

Blog JB – Seu prato preferido:

LQ – Chicória com Tahine.

 

Blog JB – Um livro memorável:

LQ – Xogum (de James Clavell).

 

Blog JB – Uma música que adora:

LQ – Sabiá, de Tom Jobim e Chico Buarque, com a Elis Regina.

 

Blog JB – Um filme:

LQ – Out of Africa (Entre dois amores).

 

Blog JB – Um segredo de beleza:

LQ – Boa alimentação, felicidade e amor.

 

Blog JB – Uma característica que todas as pessoas deveriam ter:

LQ – Compaixão e honestidade.

 

Blog JB – Cite uma personalidade feminina cuja trajetória você admira e explique por quê.

LQ – Audrey Hepburn. Excelente atriz, linda, elegante, inteligente. Mas, principalmente por seu trabalho humanitário, que mostrou aos países ricos a dor imensa das crianças dos países pobres.

Compartilhe:

Compartilhe:

Assuntos:

Dona de um estilo clássico e avessa a extravagâncias, Ana Amélia Lemos só não conseguiu ser discreta em sua estreia na política: abdicando de uma proeminente carreira jornalística na maior rede de TV do Rio Grande do Sul, elegeu-se diretamente ao Senado – com quase 3,5 milhões de votos. O sucesso nas urnas sublinha a confiança dos gaúchos naquela que, por mais de três décadas, levou às suas casas o noticiário político nacional.

Viúva do ex-senador Octávio Omar Cardoso, a gaúcha de Lagoa Vermelha reside hoje na Capital Federal, por força do ofício. Em entrevista exclusiva ao Blog Jorge Bischoff, aceitando convite para a série Semana da Mulher JB, Ana Amélia Lemos falou de sua carreira e de seu estilo pessoal. Confira:

 

 

Blog JB – Conte-nos como se desenrolou sua carreira – e a transição do jornalismo à política.

AAL – Formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS), trabalhei na Rádio Guaíba, Jornal do Comércio, TV Difusora, Correio da Manhã do Rio de Janeiro e na Revista Visão. Depois, foram 33 anos na RBS. Comunicadora multimídia, estive presente nos lares gaúchos durante 31 anos, falando diretamente de Brasília. No dia 15 de março de 2010, abri mão do ofício para concorrer pela primeira vez a um cargo eletivo. Fui eleita senadora pelo PP/RS com 3.401.241 votos.   

 

Blog JB – O que mais a fascina em sua atividade?

AAL – A diversidade dos assuntos que a gente trata no Senado.

 

Blog JB – O cenário político mundial sempre foi dominado pelos homens, mas hoje as mulheres, mesmo que ainda em minoria numérica, têm se destacado sobremaneira. A que fatores você atribui essa mudança?

AAL – À disposição das mulheres em enfrentar o desafio de uma carreira extremamente complexa como é a atividade política.

 

Blog JB – Como gosta de se vestir?

AAL – Me visto de maneira extremamente discreta, usando as cores que convém a uma pessoa de pele clara como eu, e sempre adotei o terninho como peça básica do meu guarda-roupa.

 

Blog JB – Modelo de sapato de sua preferência:

AAL – Clássico.

 

Blog JB – Em sua opinião, o que é ser elegante?

AAL – É ser simples, porque menos é mais.

 

Blog JB – Qual o seu prato preferido?

AAL – Cordeiro.

 

Blog JB – Indique um livro que tenha sido marcante para você.

AAL – Entre os autores brasileiros, “Vila dos Confins”, de Mário Palmério; entre os estrangeiros, “Terra Sonâmbula”, do autor moçambicano Mia Couto, e “Cem Anos de Solidão”, do colombiano Gabriel García Márquez.

 

Blog JB – Que tipo de música mais lhe apraz?

AAL – Todas as músicas bonitas, as que não façam muito barulho e que não ardam os ouvidos. Que sejam sonoras, tipo música clássica, música latino-americana, música popular brasileira, a música gaúcha – da qual agora estou comprando também uma coleção em violão.

 

Blog JB – E quanto à sétima arte?

AAL – Ultimamente, um filme que me impressionou muito pela interpretação da Meryl Streep foi “A Dama de Ferro”. Da mesma atriz, que também ganhou um Oscar pela interpretação, o filme “O Diabo Veste Prada”.

 

Blog JB – Uma característica que todas as pessoas deveriam ter:

AAL – Simplicidade, respeito e cordialidade.

 

Blog JB – Cite uma personalidade feminina cuja trajetória você admira e explique por quê.

AAL – A escritora Lya Luft, pela história de vida dela, pela qualidade pessoal que ela tem, pelo sucesso que está alcançando, pelo que escreve, pela contribuição que ela dá para que a gente seja melhor.

Compartilhe:

Assuntos:

Página 1 de 41234
© Jorge Bischoff . Por Aldeia