Se a genealogia contribuiu para colocar Stella McCarney sob os holofotes, também jogou enorme peso sobre suas costas: os primeiros passos da carreira foram marcados por críticas essencialmente fundamentadas no fato de ela ser filha do “beatle” Paul e de Linda McCartney. Embora questionado nas entrelinhas, seu talento logo se impôs, projetando-a como um dos grandes nomes do estilismo mundial.

 

Stella McCartney

 

Em 1987, aos 15 anos, Stella começou a trabalhar com o estilista Christian Lacroix, que abria uma maison e lançava sua primeira coleção de alta-costura. A seguir, transferiu seu estágio para Savile Row, rua londrina reconhecida mundialmente pelas alfaiatarias.

Em 1995, formou-se em moda no Central St Martins College of Art & Design, em Londres. No seu desfile de graduação, os pais Paul e Linda estavam na primeira fila da assistência, e as modelos Naomi Campbell e Kate Moss, na passarela. A apresentação foi notícia internacional e, apesar de questionamentos ao talento de Stella, a coleção foi comprada por uma loja.

 

 

No mesmo ano, a estilista lançou sua própria marca e, dois anos mais tarde, substituiu Karl Lagerfeld na Chloé. Já na primeira coleção que assinou para a marca, a filha de Paul McCartney foi elogiada pela imprensa especializada, graças às roupas sensuais, românticas, inventivas e executadas com perfeição.

 

 

Mais tarde, a Gucci fez uma proposta irrecusável: lançar a grife Stella McCarney no mundo todo, no segmento de moda de luxo, com a garantia de que todas as decisões seriam suas – e assim Stella McCartney virou grife, iniciando sua carreira solo.

 

Madonna e Kate Hudson com vestidos assinados por Stella McCartney

 

Fontes: Portais da Moda e Pure Trend

Fotos: Reprodução

Compartilhe:

Um luxuoso modelo de rasteira da Coleção Outono-Inverno 2012 Jorge Bischoff foi eleito para complementar a produção das hostesses do Camarote Caras no Carnaval 2012 do Rio de Janeiro.

 

 

Na foto abaixo (publicada na revista Caras da semana passada), a estilista Danielly Britto mostra os vestidos criados para as meninas que recepcionaram os convidados durante a folia na Sapucaí.

 

Compartilhe:

Mais uma vez, os xadrezes foram sucesso absoluto no inverno aqui da Inglaterra. Eles apareceram em cachecóis, calças, camisas, shorts e outras peças, dando ao visual um toque especial – especialmente em looks com sobreposições. E, sem dúvida, a dica vale para a temporada Outono-Inverno 2012 no Brasil, que está prestes a começar!

 

 

Sem medo de arriscar, sobreponha uma camisa xadrez a uma jeans e brinque com as cores e acessórios: o resultado vai ser superdivertido! Se você prefere manter os tons escuros, vale a pena tentar realçar alguma outra peça, seja um tecido diferente ou até mesmo uma cor mais clara. Confira, abaixo, algumas produções bacanas com peças xadrezes – e inspire-se!

 

 

 

Texto: Renata Lampert | Correspondente Jorge Bischoff no Reino Unido

Fotos: Reprodução

Compartilhe:

Tecidos são matéria-prima clássica para roupas, bolsas, sapatos e até pulseiras, mas sua aplicação em acessórios como óculos pode soar inusitada. Provando sua versatilidade, o material está agora sendo empregado em armações de óculos, graças a uma parceria entra a Vicunha Têxtil e a Ótica Ventura. “Ficamos muito felizes com esta parceria que consegue demonstrar o quanto o tecido atende bem aos mais diversos segmentos”, afirma Renata Guarniero, gerente de marketing da fabricante de tecidos.

 

 

São duas opções de modelo, que podem ser usados com lentes de sol ou grau. As estampas e texturas têm visual divertido, com grafismos de pegada jeanswear e índigo, além de desenhos com listras ou xadrezes – tudo com a assinatura do designer Francisco Ventura Jr.

 

Fonte: UseFashion

Foto: Shinji Nagabe/Divulgação

Compartilhe:

Assuntos:

Confirmando expectativas, a produção franco-belga “O Artista” foi a grande vedete da noite de premiação do Oscar 2012, recebendo as estatuetas de Melhor Filme, Trilha Sonora, Figurino, Direção (Michel Hazanavicius) e Ator (Jean Dujardin). O longa, rodado em preto-e-branco e sem diálogos, conta a história de um ator de cinema mudo que não se adapta aos filmes falados.

 

Noite de premiação rendeu cinco estatuetas ao filme mudo “O Artista”

 

Em tempos de 3D e alta tecnologia de animação, a premiação do Oscar exaltou a criatividade humana: valeu o diferente e o inusitado, capaz de quebrar a “mesmice” das produções em geral. Esse olhar sobre o passado harmoniza-se, também, com as técnicas modernas, sobretudo no longa “A Invenção de Hugo Cabret”, de Martin Scorsese: nele, o efeito 3D é usado para provocar na plateia o mesmo efeito de surpresa e arrebatamento que os primeiros filmes do cinema causavam nos espectadores. Como resultado, cinco prêmios da Academia: Fotografia, Direção de arte, Efeitos visuais, Efeitos sonoros e Som.

A edição 2012 do Oscar também valeu para reiterar que, seja numa volta ao passado ou numa produção ultracontemporânea, o talento é insubstituível: pela terceira vez, Maryl Streep levou a estatueta de Melhor Atriz – prêmio ao qual já recebeu 17 indicações ao longo da carreira. Desta vez, a honraria veio pela interpretação da ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher no filme “A Dama de Ferro” – ganhador, também, do Oscar de Melhor Maquiagem. A atriz agradeceu à Academia “por esta carreira inexplicavelmente maravilhosa”.

 

Meryl Streep recebeu seu terceiro Oscar de Melhor Atriz

 

Confira os demais ganhadores do Oscar 2012: Ator coadjuvante: Christopher Plummer (Toda Forma de Amor); Atriz coadjuvante: Octavia Spencer (Histórias Cruzadas); Roteiro original: Meia-Noite em Paris; Roteiro adaptado: Os Descendentes; Melhor filme estrangeiro: A Separação, de Asghar Farhadi; Melhor animação: Rango, de Gore Verbinski; Melhor documentário: Undefeated, de Daniel Lindsay e T.J. Martin; Música: Man or Muppet, de Brett McKenzie (Os Muppets); Montagem: Millenium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres; Melhor curta-metragem: The Shore, de Terry George e Oorlagh George; Documentário de curta-metragem: Saving Face, de Daniel Junge e Sharmeen Obaid-Chinoy; Animação em curta-metragem: The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore, de William Joyce, Brandon Oldenburg.

 

Fontes: Zero Hora e BBC Brasil

Fotos: Reprodução

Compartilhe:

Página 1 de 812345678
© Jorge Bischoff . Por Aldeia